Desculpas para Erros da Adolescência

Se você já viu um adolescente fazer alguma besteira, levante a mão.

Os adolescentes são reconhecidos universalmente por serem imprevidentes, fazerem merda, não agirem de forma racional, se arriscarem demais, e mais um tanto de defeitos.

As explicações tradicionais, como “eles são imaturos” ou “são inexperientes e ainda não aprenderam a raciocinar direito“, oferecem um certo conforto aos mais velhos, mas são reducionistas. Nessa perspectiva, o adolescente é somente um adulto com o raciocínio ainda verde, a capacidade cognitiva prematura, incompleta.

Pensando numa perspectiva evolutiva, se o comportamento adolescente é tão ruim e inadequado, por que ele continua existindo e é tão universal? Se tais comportamentos são de alto risco, auto-destrutivos, por que ainda não desapareceram de nossa espécie?

O motivo, de acordo com o autor desse artigo na National Geographic, é que tais comportamentos tidos como típicos da adolescência são subprodutos de habilidades valiosas para a sobrevivência, adaptação e evolução de nossa espécie.

As besteiras são boas para nosso desenvolvimento.

Um exemplo é a característica que faz com que os adolescentes adorem palavras como radical, velocidade e adrenalina: a busca por emoção. E não só essa emoção de fazer frio na barriga. Tudo o que é novo, o que é estimulante e excitante, é desejado e praticado com avidez pelo púbere.

Essa busca é um dos fatores que nos impulsiona e habilita para o processo penoso de sair da segurança do lar e enfrentar o mundo externo. Se não tivermos essa gana por novidades e mudanças, não sairíamos nunca da casa de nossos pais, ou da caverna da nossa tribo.

Ela também é associada à disposição de conhecer novas pessoas, novos ambientes. Tudo o que é novo me excita, me estimula. Essa ânsia aumenta expressivamente as experiências pelas quais passamos e, consequentemente, nosso aprendizado.

Outra característica típica que possui um mito negativo é o fato do adolescente assumir muitos riscos, e de como isso estaria ligado à incapacidade de estimar esses riscos.

Seja escalando uma montanha sem equipamento adequado, fazendo rachas com carros, ou mesmo soltando as mãos ao andar de bicicleta, o adolescente passaria por esses perigos porque não consegue avaliar o risco atrelado.

Mas vários experimentos mostraram que eles não subestimam os riscos.

O que acontece é que ele valoriza mais as recompensas do que um adulto. Eles anseiam um prazer mais intenso, e por isso o risco acaba valendo à pena. Essa disposição a correr um risco maior é uma vantagem adaptativa quando ela o impulsiona a sair da zona de conforto para obter certas recompensas.

Ele topa enfrentar duas famílias para casar com Julieta, e até pensa que consegue explodir a Estrela da Morte sozinho.

Outras características, como a ânsia por socializar, fazer amigos e participar de grupos, tem vantagens claras pro processo evolutivo.

Os problemas pelos quais os adolescentes passam são ruidosos e chamam mais a atenção de nós, velhos. Por isso caracterizamos essa etapa da vida como uma fase problemática que deve ser controlada e reprimida.

Bem mais do que isso, a adolescência é uma fase de alta maleabilidade, moldada pela evolução para nos estimular a enfrentar as autoridades, explorar e mudar o mundo.

Agora podemos poupar nossa família e culpar a evolução pelos erros que cometemos na nossa adolescência.

2 Comments on “Desculpas para Erros da Adolescência”

  1. Ainda não, mas já peguei emprestado da internet porque um amigo cuja opinião eu considero bastante me indicou ele.

    🙂

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *