Zebras e Fábricas de Úlceras

Eu mato um leão por dia

Você já escutou, ou mesmo já falou essa frase. Ela aparece sempre que alguém quer dizer que tem trabalhado e se esforçado muito.

Fugir de um leão é trabalhoso. Matar um, e diariamente, é tarefa para um batalhão de Hércules.

Então para quem fala esse tipo de frase, deve existir alguma recompensa para viver dessa forma, com tanto esforço e perigo. Provavelmente é uma forma de conseguir status, poder, dinheiro, reconhecimento do chefe, admiração da namorada.

Independente de qual seja a recompensa, quem mantém esse status de matador de leões por muito tempo sofre uma severa penalidade.

O biólogo Robert Sapolsky fala do assunto em seu livro, Por que Zebras Não Tem Úlceras. Ele descreve que quem enfrenta um leão tem sua saúde atacada ferozmente pelas consequências do stress que passa. Seu corpo exibe os sinais desse desgaste prolongado e crônico, e você acaba cheio de rugas, úlceras, AVC’s e infartos.

Para quem vive a vida em constante luta, essa é uma má notícia.

A cada leão que o caçador em questão enfrenta, seu corpo se modifica e se prepara para garantir sua vida. Seus vasos se contraem, vários hormônios são liberados, seu intestino diminui os movimentos peristálticos, aumenta o fluxo de sangue dos músculos.

Tudo para liberar energia para a luta, para os reflexos, para aumentar as chances de sobrevivência nesse embate. Assim como uma zebra que é perseguida por um leão na savana, nós estamos num momento de decisivo que não tem meios termos, ou o leão nos mata ou nós o matamos.

Essa zebra reage da mesma forma porque esses mecanismos ativados numa situação de stress foram desenvolvidos muito cedo na evolução dos mamíferos. Eles nos dão uma vantagem e aumentam nossa chance de sobrevivência. Seu corpo e o da zebra tem as mesmas reações quando tem sua vida posta em risco.

Então por que a zebra não sofre com úlceras nem tem pressão alta?

Principalmente porque, depois de ser perseguida pelo leão, seu metabolismo volta a funcionar normalmente. Os outros problemas e dificuldades, como sede, fome ou frio, ela enfrenta sem recorrer ao turbo no metabolismo que o stress proporciona.

Já no caso do homo sapiens, também temos fome, sede e frio. A diferença que faz corroer nosso estômago é que enfrentamos TODOS os problemas de mesma forma, como se estivéssemos sendo perseguidos por leões. E não influencia termos mais problemas e preocupações do que a zebra, o ponto é que nos estressamos com TODOS eles!

Nos estressamos com nosso atraso, com o atraso dos outros, com o que podemos controlar e com o que não podemos, com a namorada e com a falta de namorada. É fácil ver gente irritada com o trânsito, com o atraso, com o guarda que deu uma multa, com o toque de celular que dá susto, com o erros de concordância dos site, com ligação de cliente. A lista é longa.

Se a cada evento cotidiano seu corpo reage como se enfrentasse um leão, ele se desgasta mais rapidamente.

O momento em que é justificado acionar esses mecanismos é quando precisamos dessa diferença no nosso desempenho, quando estamos arriscando nossa vida. Como você não vive num filme de James Bond, não passa por tantos apuros.

Quando não se está fugindo de um leão, a reação de stress é um exagero desnecessário. Ela exaure sua energia, estraga sua saúde e ainda incomoda as pessoas no seu entorno.

Da próxima vez que você se sentir matando um leão, preste atenção e reflita se não está exagerando ou fazendo drama. Meu palpite é que você tá sendo cruel com um gatinho.

2 Comments on “Zebras e Fábricas de Úlceras”

  1. “Já no caso do homo sapiens, também temos fome, sede e frio. A diferença que faz corroer nosso estômago é que enfrentamos TODOS os problemas de mesma forma, como se estivéssemos sendo perseguidos por leões. E não influencia termos mais problemas e preocupações do que a zebra, o ponto é que nos estressamos com TODOS eles!”

    Você não me contou que estava escrevendo minha biografia.

    “É fácil ver gente irritada com o trânsito, (…) com o erros de concordância dos site.” Boa!

  2. Boni, claro que tou escrevendo sua biografia. Que outro motivo eu teria pra anotar os horários que você usa o banheriro e a quantidade de fibras que você consome diariamente?

    😉

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *