Aprendendo macro-economia com os zumbis

Como se mede a riqueza potencial de um país hoje em dia? Dinheiro? Economia? Terras? Capacidade de produção?

E como você mede capacidade de produção?

Antigamente, media-se com a soma de recursos naturais e a posse de algumas tecnologias. Por exemplo, Portugal foi a nação mais rica do mundo no breve tempo em que possuía tecnologias de navegação que ninguém mais tinha. Aí o D. Sebastião morreu, a Espanha anexou, o conhecimento foi compartilhado e adeus, império onde o Sol nunca se põe.

Do século passado pra cá, a informação passou a ser poder. Quem sabe quê mercados são os melhores para investir. Quem sabe dividir átomos e transformar em energia, quem entende a língua dos chineses para fazer negócio com eles, etc.

Hoje, quase todo tipo de conhecimento está nas mãos de quase todo mundo que tenha internet, algum dinheiro e tempo para investir ali. Por exemplo, algumas das maiores companhias do mundo, como Google, Apple ou Microsoft, poderiam ter sido criadas em quaisquer país. Se Steve Jobs e toda a sua trupe mudassem a sede de Cupertino pra Tailândia, porque os impostos são mais baratos, o iPhone 5 continuaria sendo fabricado na China e todo mundo iria adorar comprar.

A vantagem competitiva da Apple e da grande maioria dos negócios de hoje em dia é o cérebro. O processador humano de informação, que transforma nada em coisas geniais.

Então, respondendo à minha própria pergunta, lá no começo, a riqueza potencial de um país, daqui a 20 anos, é a quantidade de cérebros de alta qualidade que ele está formando hoje, considerando que os cérebros demoram algumas décadas para chegar no seu auge produtivo.

Ou seja, indiquem um zumbi para Nobel de Economia. Os mortos-vivos já sabem há tempos que o que importa mesmo são os miolos.

* O vídeo bônus é o trailer de um dos melhores filmes que vi este ano.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *