A volta dos estagiários do inferno

Lembram do post sobre a utilidade dos estagiários? Pois a discussão voltou.

A Fran Guillen, que andou visitando o blog há um tempo e depois de segui-la virei fã, repostou um post traduzido por uma amiga, que listava 30 coisas que um estagiário de jornalismo poderia fazer nas férias. Coisas do tipo escrever algo que seja retwittado 50 vezes, editar um vídeo, entrevistar gente, etc. Ou seja, aprender a meter a mão na massa.  A Fran continua dizendo que não custava nada aplicar isso à propaganda. Eu acho bem verdade. Muito mais útil uma pessoa que saiba um blog em wordpress que alguém que saiba quem foi Saint-Simon, e também é muito mais útil que aqueles psicopatas da propaganda que sabem quantos prêmios o Marcello Serpa ganhou.

Falando nisso, o Jeremiah Owyang fez uma lista de coisas que os chefes podem fazer para aprender com os estagiários. Depois que o Morgan Stanley publicou aquele estudo sobre o pirralho de 15 anos que dizia o óbvio, parecia lógico que todos os gurus e marketeiros em geral entrassem na onda: vamos aprender com a geração mais nova. No post do Jeremiah há umas ideias muitis interessantes. Traduzo:

  1. Aproveite o conhecimento dos estagiários sobre tecnologia. Eles sabem mais do que você, entendem mais o comportamento e estão mais acostumados. Quanto mais cedo você se acostumar com isso, melhor.
  2. Crie duplas, entre um estagiário e um senior. Ambos tem coisas a ensinar ao outro, e os dois vão gostar da oportunidade de aprender.
  3. Dê segurança para que os estagiários falem. Lembre-se de quando era novo, e que é normal não ter coragem de falar tudo abertamente ao chefe. Não é fácil dizer ao seu superior que ele não entende bulhufas de uma ferramenta, mesmo que ele ache que dá pra ficar rico com o twitter.
  4. Use informação verdadeira. Só porque seu estagiário de 15 anos e seus amigos não usam twitter, não significa que o resto não use. Nada substitui uma boa pesquisa, e uma análisis quantitativa.

E eu continuozis devendis o planis pra Andrézis Muhlis (pronuncia-sis “muli”).

25 Comments on “A volta dos estagiários do inferno”

  1. Tarrask,

    Esse post assim desse tamanho fez perder a piada e atrapalhar demais a leitura. Se for possível, e for democrático, eu voto por desmussunificá-lo

    Sobre o tema, eu acho essa abordagem válida, diferente daquela de transformar o estagiário no novo chefe, que parecia idéia do PSTU que nunca recebeu visto para adentrar a Realidade.

    Eu tinha outra coisa a comentar, mas o comentário antigo todo escrito desapareceu no meio da mudança do blog, e eu esqueci o que era.

    Gostei bastente do novo visual. Parabens e brigado!

    1. Ovídio, vou tentar desmussunizar este post, então, em vossa homenagem.

      Os comentários antigos estão perdidos, sorry. Foram na hora da transição dos arquivos.

  2. comentário nada a ver sobre os prêmios do marcello serpa: uma vez, procurei tanta coisa sobre o mohallem que tive um pesadelo horroroso com ele. aí fico imaginando o tipo de sonho que essas enciclopédias da propaganda tem. deve ser tipo um todo mundo em pânico, com a ficha técnica do anuário.

Leave a Reply

Your email address will not be published.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.